O PODER DA CLASSE D
capítulo três

A RELAÇÃO COM O CONSUMO  

  • Comprar é um prazer para o consumidor de todos os níveis de renda; é uma distração, uma higiene mental. 
  TOTAL 
 
A/B 
 
C 
 
D 
 
Eu curto/ gosto de fazer compras 85   90   81   83  
  • A classe de menor poder aquisitivo (D), hoje com maior disponibilidade financeira, "curte", até mesmo mais que os outros segmentos da sociedade, ver vitrines, informar-se das novidade, atualizar-se sobre preços. 
Gosto de ver vitrines/ lançamentos, novidades:  
  • A/B 32%
  • C 33%
  • D 44%

  • COMPRAR É UM PRAZER? 

      TOTAL
    %
    A/B
    %
    C
    %
    D
    %
    EU GOSTO/ CURTO FAZER COMPRAS  85  90  81  83 
    É uma distração/ higiene mental  41  45  37  44 
    Gosto de ver vitrines/ lançamentos/novidades  36  32  33  44 
    Satisfaz o ego saber que pode comprar  29  37  25  23 
    Gosto de andar bem-arrumado/ bem-vestido  27  34  24  23 
    Gosto de escolher as próprias coisas  16  10  16  23 
    Pesquiso/ fico atualizado com preços  14  6  16  23 
    Faço novas amizades/ conheço mais gente/ vejo gente  14  12  16  13 
    Compra coisas que precisa/ o que é necessário  9  9  6  12 
    Gosta de ver a geladeira/ o armário cheio  7  2  9  10 
    Gosta de ter coisas novas em casa  6  5  10  3 
    Compro para a família/ filhos/ não deixo faltar  4  2  3  7 

      
    Base: Amostra (300 casos) 
    Fonte: Perg. 2 


    O QUE DÁ MAIS PRAZER COMPRAR?  

    • A compra de artigos pessoais é a maior fonte de prazer para o consumidor emergente (88%), e, nesse sentido, ele é muito parecido com as classes de maior poder aquisitivo. (A/B=84%, C=83%). Assim como os mais ricos, ele gosta de andar bem-vestido (85%) e sente-se especialmente atraído pelos calçados (64%).
    • À medida que diminui a  renda do consumidor, aumenta significativamente a satisfação em comprar alimentos, particularmente os básicos.
    • Os três segmentos de renda têm atitudes equivalentes no que tange a compra de snacks doces, snacks salgados, iogurtes, bolachas e frios.
      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    ARTIGOS PESSOAIS  86  87  83  88 
    Roupas  82  83  80  85 
    Calçados  57  56  54  64 
    Acessórios  8  13  7  5 
    Jóias/ relógio  4  7  3  2 
             
             
      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    ALIMENTOS  37  29  36  48 
    Produtos básicos/ cesta básica  16  7  13  31 
    Snacks doces  17  17  18  15 
    Bolachas  6  4  6  6 
    Iogurte/Danone  4  4  3  5 
    Frios  4  4  4  3 
    Snacks salgados  2  2  2  2 
    Alimentos em geral  3  3  3  5 
    Outros  1  1  2  1 

      
    Base: Amostra (300 casos) 
    Fonte: Perg. 3 


     O QUE DÁ MAIS PRAZER COMPRAR? 

      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    COSMÉTICOS/ HIGIENE PESSOAL  16  17  18  14 
    Perfume  11  14  10  9 
    Cremes/ maquiagem  7  5  10  7 
             
             
      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    APARELHOS ELETRÔNICOS (Tv/ rádio/ filmadora)  12  13  14  9 
    DISCOS/ FITAS  10  14  10  5 
    OBJETOS PARA CASA   10  8  11  10 
    ELETRODOMÉSTICOS  8  6  11  7 
    CARRO  6  12  4  2 
    BRINQUEDOS  6  5  4  11 
    BEBIDAS  5  2  7  5 
    BEBIDAS ALCOÓLICAS  3  1  5  5 
    REFRIGERANTES  2  2  2  3 
    LIVROS/ REVISTAS  3  5  1  2 
    EQUIPAMENTOS/ ACESSÓRIOS P/ O CARRO  3  3  4  - 
    CIGARROS  1  -  1  2 



    Base: Amostra (300 casos) 
    Fonte: Perg. 3 



    ELETROELETRÔNICOS FACILITADORES DA VIDA 

    • É muito interessante notar que os padrões de atitude não diferem muito nas 3 classes sociais, quando se consideram os ítens de conforto doméstico ou pessoal que facilitam a vida das pessoas.
    • O resultado desta tabela nos mostra que o terreno para a compra destes produtos já está preparando a espera de uma melhora no poder aquisitivo.


    TORNAM A VIDA MELHOR 

      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    Máquina de lavar roupa  68  66  68  71 
    Computador  55  63  55  45 
    Telefone celular  33  33  32  33 
    Microondas  31  39  32  18 
    Telefone sem fio  21  16  27  18 
    Fax  16  20  15  14 
    Secadora de roupas  16  9  18  20 
    Freezer  13  15  10  14 
    Aparelho de som  10  8  8  15 
    Lava-louças  9  8  10  10 
    Videocassete  8  5  7  13 
    Cafeteira elétrica  8  4  8  13 
    Secretária eletrônica  8  9  5  11 
    Aparelho de CD  5  6  4  4 

      
    Base: Amostra (300 casos) 
    Fonte: Perg. 8 



    O INDISPENSÁVEL, O DISPENSÁVEL E O NECESSÁRIO 


    SÃO MUITO IMPORTANTES, NÃO DÁ PARA FICAR SEM 

      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    Fogão  96  96  95  98 
    Geladeira  95  98  94  94 
    Televisão  83  80  84  83 
    Máquina da lavar roupa  72  84  63  73 
    Liquidificador  73  76  74  70 
    Rádio  62  60  62  63 
    Conta em banco  59  72  51  57 
    Telefone  57  77  49  46 
    Aparelho de som  51  43  48  63 
    Caderneta de poupança  51  49  45  63 
    Carro  49  67  46  32 
    Freezer  32  45  28  24 
    Batedeira de bolo  32  33  31  32 
    Cartão de crédito  30  32  24  35 
    Microondas  25  27  27  21 
    Computador  21  34  16  14 
    Viajar  20  21  17  22 
    Videocassete  21  20  24  20 
    Aspirador de pó  19  35  12  10 
    Máquina de secar roupa  18  13  15  29 
    Telefone celular  11  14  9  11 
    Telefone sem fio  12  12  14  8 
    Cafeteira elétrica  10  8  10  13 
    Secretária eletrônica  8  12  6  8 
    Moto  5  8  3  5 
    TV a cabo  4  6  2  6 
    Assinatura de revista  3  5  2  2 

      
    Base: Amostra (300 casos) 
    Fonte: Perg. 9 



    COMPUTADOR: MODERNIDADE E MOBILIDADE SOCIAL? 


    Existe uma linha demarcatória entre a  "novíssima geração" e a geração ainda nova, mas com um rumo profissional e familiar já definidos. Os da primeira manifestam forte proximidade psicológica ao computador enquanto novo ícone da modernidade, mesmo que sua posse efetiva seja muito remota; os da segunda colocam esse produto fora do seu círculo de desejos de consumo, talvez por representar uma outra linguagem e um outro tempo. 

    Perante os bem jovens, o computador parece ter uma conotação não só de modernidade (com ostatus que dela decorre), como também de um novo canal de mobilidade social, representando talvez uma atualização do que o "curso de inglês" e a "datilografia" já representaram. 

    O computador, ítem recém-chegado no universo do consumo, hoje já faz parte do desejo de todas as classes sociais 

      TOTAL 
    % 
    A/B 
    % 
    C 
    % 
    D 
    % 
    É importante  79  88  76  71 
    Não dá para ficar sem  21  34  16  14 
    Dá para ficar sem  58  54  60  57 
    Não é importante  21  12  24  29 

     
    || capítulo um | capítulo dois | capítulo quatro | capítulo cinco ||